Queridos leitores, confiram a seguir uma matéria do Dr. Ronaldo Gismondi, cardiologista e colunista do Portal Pebmed, que está presente no Congresso Americano de Cardiologia, fazendo uma excelente síntese do estudo com o uso do Apple Watch para detecção de fibrilação atrial.

Em nossa cobertura online do congresso do American College of Cardiology, o primeiro “Late Breaking Trial” do sábado foi o estudo com o uso do Apple Watch para detecção de fibrilação atrial. A importância do estudo é baseada no fato da maior parte dos casos de FA ser intermitente e assintomática. Só que mesmo essas pessoas têm maior risco de AVC cardioembólico!

Os monitores para detecção de arritmias de longa duração (> 7 dias), parecidos com o Holter, são implantáveis ou semi-implantáveis e por isso de difícil aplicação como ferramenta de rastreamento populacional. O novo relógio da Apple tem o potencial de monitorar os usuários 24 horas por dia, 7 dias por semana! Com isso, muito mais casos de FA seriam detectados, permitindo instituir tratamento nos grupos de maior risco e prevenir o AVC!

Apple Heart Study: como foi feito

Quem comprou o dispositivo foi convidado online a participar do Apple Heart Study (AHS) e seus dados eram monitorados pelo App da empresa. Quando havia ritmo irregular, a pessoa era notificada que devia procurar um médico, sendo disponibilizado atendimento por telemedicina. A seguir, ela instalava um monitor de ECG de 7 dias (tipo um monitor de eventos) para avaliar se a FA de fato existia.

Quais os resultados?

 

A principal limitação do estudo foi não ter atingido o recrutamento necessários: eram previstos 500 mil participantes! Além disso, a taxa de detecção de FA foi baixa, mesmo nos pacientes com mais 65 anos (apenas 3% desse grupo teve ritmo irregular). Isso pode ter dois significados: ou o relógio não detectou FA ou ela é menos comum na população geral do que pensamos. Outro problema foi o baixo percentual de pacientes que foram colocar o monitor implantável e retornaram. Será que os que não foram tinham FA? Ou eram só extra-sístoles.

Como aplicar isso no mundo real?

Se o seu paciente tem um App desses e recebe a notificação, investigue. A maior parte dos testes é não invasivo. Mas só trate se um método aprovado, como Holter ou Monitor de Eventos Implantável, confirmar a arritmia. Até lá, vamos melhorar o produto e estudar mais ainda!

Referências:

https://www.acc.org/latest-in-cardiology/articles/2019/03/08/15/32/sat-9am-apple-heart-study-acc-2019/

https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT03335800

Fonte: PebMed

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *